Com a expansão das energias renováveis e a implementação de leis governamentais em prol de um mundo mais sustentável, a tecnologia fotovoltaica desponta como uma das opções mais interessantes. Além disso, ela é um ótimo investimento de médio/longo prazo, de baixo risco e com rentabilidade superior aos fundos de renda fixa.
Compreender as vantagens e desvantagens da energia solar lhe trará subsídios para uma tomada de decisão consciente. Com o avanço da tecnologia, as vantagens estão sendo potencializadas e algumas desvantagens estão sendo gradativamente diminuídas, principalmente em relação aos custos dos equipamentos.
Segundo a ABSOLAR a perspectiva é que em 2030 a energia solar terá uma participação de 32% da matriz energética brasileira, superando a hidroeletricidade. E no Brasil somos privilegiados por receber um alto índice de radiação solar durante a maior parte do ano.
Compilamos abaixo as principais vantagens e desvantagens da energia solar para o seu conhecimento.

Vantagens do sistema de energia solar fotovoltaica

  • Preservação Ambiental: importante instrumento para a redução das emissões de gases do efeito estufa e contribuição para a manutenção dos recursos naturais.
  • Economia: o dinheiro (valor) investido inicialmente será recuperado por meio da redução dos gastos com a conta de energia elétrica mensal, redução essa de até 95% do valor pago à distribuidora local. Quando a quantidade de energia for maior que o consumo no mesmo período, ela será injetada na rede elétrica da distribuidora gerando créditos de energia. Esses créditos poderão ser utilizados em outro período ou em outros imóveis (os créditos de energia deverão ser usados em até 60 dias). A expectativa de payback do sistema de energia solar é de 3 a 6 anos. Após este período, este investimento é recuperado e passa a gerar “lucro” para os próximos 20 anos;
  • Benefício Social: por não haver a necessidade de grandes investimentos em linhas de transmissão, a energia solar beneficia comunidades mais afastadas dos centros urbanos, chegando a regiões de difícil acesso. Além da geração de empregos, também gera liberação de renda: o dinheiro que é economizado na conta de luz de quem tem solar é usado pelo consumidor na compra de outros produtos, movimentando o comércio e a economia locais. Pela liberação de renda, a geração distribuída solar fotovoltaica já contribuiu com mais de R$ 4,7 bilhões reinjetados na economia local, desde 2012.(fonte: ABSOLAR)
  • Incentivos fiscais e créditos bancários: EX-TARIFARIOS – alguns equipamentos como módulos fotovoltaicos e inversores tiveram sua alíquota de imposto de importação alterada para ZERO em 2020. IPTU – em algumas cidades brasileiras existe um desconto especial de 10% a 100% no IPTU (chamado de IPTU Verde) para os contribuintes que construírem ou reformarem sua casa ou empresa implantando sistemas ecoeficientes. PIS/COFINS – isenção desse tributo federal para a energia excedente produzida. Bancos públicos e privados disponibilizam linhas de crédito especiais para investimentos em recursos sustentáveis como a energia solar fotovoltaica. Também existem os financiamentos subsidiados;
  • Flexível: um sistema fotovoltaico pode ser instalado em qualquer tipo de construção e de acordo com o espaço disponível, no telhado, no chão ou até mesmo de forma flutuante. Sem interferência na parte elétrica existente não é preciso se preocupar com altos custos de adaptações e reformas. É possível ampliar a capacidade de geração de energia de um sistema já instalado com a inclusão de novos equipamentos. Isso ocorre caso cresça a demanda de consumo na residência ou estabelecimento comercial / industrial;
  • Manutenção de baixo custo: por serem resistentes, os módulos fotovoltaicos de boa qualidade e instalados por uma equipe técnica qualificada terá uma vida útil média de 25 anos. Irão necessitar apenas limpeza e manutenção preditiva da instalação elétrica sugerida a cada 12 meses;
  • Valorização do imóvel: estudos mostram que imóveis com sistemas fotovoltaicos instalados são mais atrativos para o mercado, já que proporcionam economia real para o futuro comprador;
  • Equipamentos recicláveis: cerca de 97% dos materiais utilizados na fabricação dos sistemas fotovoltaicos podem ser recuperados e reaproveitados. Os painéis solares são formados por placas de vidro, elementos condutores e metálicos, componentes de fácil reciclagem. Inclusive já temos no Brasil uma empresa de reciclagem de painéis fotovoltaicos.

Desvantagens do sistema de energia solar fotovoltaico

  • Desembolso inicial elevado: o valor de compra de todo o sistema fotovoltaico é alto, sendo o maior entrave para a aquisição da solução fotovoltaica. Porém ao comparar esse investimento com diversos outros disponíveis no mercado verifica-se que a melhor opção é investir em geração de energia solar pelo retorno que proporciona. Para as pessoas que não dispõem desse investimento, há diferentes opções de financiamento. Alguns bastante interessantes, sendo possível trocar o pagamento da conta de luz pela parcela do financiamento.
  • Fonte de energia intermitente (não fornecida continuamente): para o sistema iniciar a sua produção de energia é preciso que haja incidência de irradiação do sol nos módulos fotovoltaicos. Como isso não ocorre durante o período noturno, a geração de energia fica desativada. Porém, com os sistemas conectados à rede da distribuidora, ou com banco de baterias, essa característica é facilmente resolvida.
  • Dependência climática: o potencial de produção de eletricidade é impactado pelas condições climáticas e estações do ano, por causa da variação de intensidade da luz solar. Em dias chuvosos e nublados, por exemplo, há uma diminuição na capacidade de geração de energia;

    Depois dessas vantagens e desvantagens da energia solar apresentadas, gostaríamos de saber qual é a sua avaliação sobre o sistema de energia solar fotovoltaica!